Total de visualizações de página

terça-feira, 19 de abril de 2011

Resenha do filme "Dá pra fazer(Si Puo Fare)"




Filme: Dá pra Fazer (Si Puo fare)

Direção: Giulio Manfredonia

Por Aline Griebler

Este é um filme composto por fatos reais e que retrata um pouco da história das cooperativas que surgiram na Itália, após o movimento da luta anti-manicomial iniciado por Franco Basaglia e do fechamento dos hospitais psiquiátricos. Neste filme percebe-se, claramente, a força da institucionalização e como a mesma interfere na vida dos pacientes e dos profissionais que com eles trabalham.

No início do filme verifica-se pacientes sonolentos e sem forças para realizarem as atividades devido a dosagem excessiva de medicamentos. Os trabalhos propostos eram repetitivos e realizados sem nenhum incentivo. Com a chegada de um novo diretor para a cooperativa, inicia-se o processo de mudança.

A cooperativa 180 (um, oito, zero), passa a considerar seus trabalhadores como sócios, na qual todos podem opinar e contribuir com suas idéias para a qualificação do trabalho. Sendo assim, todas as opiniões passam a ser válidas, mesmo aquelas consideradas “estranhas” e um tanto incomuns. A partir das assembléias realizadas decide-se iniciar trabalhos com parquet.

O diretor da cooperativa consegue perceber nos pacientes/trabalhadores a sua habilidade e propõe que desempenhem funções que melhor se adéquem a capacidade de cada um. Surge, nesse momento, uma equipe de trabalho que planeja, negocia, desempenha a atividade de colocação de parquet, contabiliza os gastos e lucros, que são divididos igualmente entre os membros.

A partir desse momento, o paciente de saúde mental deixa de ser um doente/paciente para ser um sujeito com potencialidades, direitos e deveres, passa a controlar sua vida e aprende a manipular e utilizar o seu dinheiro. Reduzem-se as dosagens da medicação, consequentemente os seus efeitos. Instaura-se a vida: começam a namorar, a sair em festas e a se relacionar com o sexo oposto.

Em um dos trabalhos realizados, Sérgio, um dos pacientes se apaixona pela moça que contrata seus serviços e se declara a ela. Os dois saem juntos ao cinema, após a sessão, se beijam. Quando se encerra a colocação do parquet, a moça dá uma festa em sua casa e o convida, juntamente com o seu colega de trabalho. Contudo, durante a festa os amigos da moça caçoam de Sérgio, do seu jeito de ser e quando um dos convidados pergunta quem fez a torta e a moça responde que foi feita em casa, Sérgio a cospe fora a torta e diz que comida feita em casa é envenenada (crença que carrega há muitos anos). Após este fato, o convidado que já caçoava de Sérgio, aumenta suas brincadeiras irritando o amigo de Sérgio que bate no rapaz.

Todos são levados à delegacia e Sérgio ouve sua amada pedir ao delegado que não o levem para o manicômio, novamente. Explica que foi culpa dela sobre o ocorrido, que foi um beijo sem importância, que ele é um coitado doente. Essas palavras soam profundamente em Sérgio e batem de frente com sua estrutura fragilizada. No dia seguinte, Sérgio é encontrado morto, se suicidou.

Nesse momento percebe-se que muitas pessoas consideradas “normais” não tem a mínima noção do quanto suas palavras e ações podem (inter)ferir um sujeito com transtorno mental. Matamos simbolicamente um doente mental, quando lhe tiramos a condição de sujeito de capacidades e lhes nomeamos como apenas um “coitado doente”. Pois não o são. São sujeitos que por condições genéticas e sociais, desenvolveram distúrbios mentais que lhes limitam de alguma forma, mas jamais os tornam incapazes, os tornam diferentes!

Este sujeito tem capacidades e limites, como todos nós, em algumas ocasiões esse limite prevalece, mas nem por esse motivo, ele deve ser tratado como apenas um “coitado”, um “doente”, pois ele tem condições de gerenciar sua vida, como cada um de nós o faz, da maneira que consegue.

Após a morte de Sérgio, alguns pacientes entram em crise, o diretor sente-se culpado pelo acontecido, por ter incentivado e dado liberdade a Sérgio e aos demais. Eles retornam a instituição de cunho manicomial, voltam a ser medicados como antes, até momento em que o psiquiatra percebe que as melhoras que ocorreram tinhas sido significativas e que jamais imaginaria que fossem possíveis naqueles pacientes. Entra em contato e pede para que o diretor retorne, pois o trabalho fez bem aos pacientes, trouxe melhoras jamais previstas. Contudo, ele continua sentindo-se culpado. Até o momento em que um dos pacientes acorda literalmente e reúne o grupo para uma assembléia em que decidem ir em busca do diretor e retornar ao trabalho. Assim acontece, eles o encontram e iniciam uma nova etapa da cooperativa 180 (um, oito, zero).

Dessa forma percebe-se mais uma vez, o quão capazes são os pacientes de saúde mental, conseguem decidir e realizar um trabalho que lhes traz satisfação, que os coloca como sujeitos de potencialidades, melhorando dessa forma seu quadro clínico, a sua maneira de enfrentar a vida e os desafios que a mesma impõe diante da sua psicopatologia. A vida segue!



2 comentários:

  1. Realmente, cabe a cada um nós acreditar que Dá pra Fazer!!! Parabéns Aline pelo texto!!!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Aline, Começei a ler sobre esse filme a dois meses, e realmente é muito interessante, no entanto quero te dizer que conheço uma atriz desse Filme, e estarei com ela no próximo mês... Se houver interesse por sua parte, entre em contato. meu email é - jcnm1@hotmail.com
    Abs,
    Júlio Mendes

    ResponderExcluir